14 de abr de 2008

Esta sairá no meu primeiro livreto!!

Uma gota de café...
Me preparo pra escrever
Um gostinho amargo é
Uma gota de café

Um grãozinho de café

Me preparo pra moer

O amargo do passado

Me preparo a remoer

Tudo na ponta do lápis...
Outra gota de café
Um livro de contos é
Mais que gotas de café
Um de versos, nem diria
- Outra bem que cairia -

Caem as palavras
Saem
Suam pelo corpo quente
Aquecido em cafeína
Arrepiam em gelo os pelos

Outra gota de café
Só pra me manter em pé
- Estou mordendo cotovelos -

2 comentários:

- Marechal Carleto - disse...

Enquanto a captura dos cafezais estava sendo consolidada, e o inverno subsequente estacionava seus frutos na pradaria, me surgiu claramente a oportunidade perfeita de ferver a água;

(eram versos que soavam descendo afora das espingardas e assim terminavam as velhas safras do barão)

Lorena Serafim disse...

e que de gota em gota escrevas tanto e sempre até mordas também os joelhos, pois eles também se arrepiam...

gostei de te ler um pouquinho rsrrsrs
e continuemos a escrever pra que nossas palavras continuem fazendo pouco ou nenhum sentido.
Até!